Pesquisa mostra que a cidade registra, oficialmente, um de cada 3,8 casos da doença, e aponta necessidade de manutenção do isolamento e práticas de higiene, já que há uma grande parcela da população que ainda pode ser infectada.

Um estudo realizado com 1,9 mil moradores de Campinas (SP) aponta que 27 mil pessoas, o que representa 2,2% da população, já tiveram contato com o coronavírus na cidade, sendo que a maior incidência ocorre na região do distrito do Campo Grande (Noroeste).

O trabalho, realizado entre os dias 9 e 20 de julho, mapeou se as pessoas sorteadas para a pesquisa tinham anticorpos da doença, ou seja, tiveram a Covid-19 e já estavam recuperadas.

Do total, 43 tiveram resultados positivos nos testes rápidos. Com base nos resultados, é possível afirmar que há subnotificação de casos em Campinas, uma vez que o Sistema de Vigilância em Saúde registra um a cada 3,8 casos na cidade - os pesquisadores indicam que no Brasil, os índices variam entre sete e dez vezes mais que os casos oficiais. Os dados oficiais da prefeitura, nesta segunda (29), apontam 7.848 moradores infectados, e 296 mortes pela doença. Apesar do número de infectados ser 3,8 vezes maior do que o retratado, o percentual da população que já teve a doença é considerado baixo.

Diante disso, o trabalho conclui que ainda há uma grande parcela dos moradores sob risco de adoecer, o que reforça a importância do isolamento social e as práticas de higiene, com uso de máscaras, álcool em gel e distanciamento social. Migrou para a periferia A pesquisa realizada por equipes da Secretaria de Saúde e Departamento de Vigilância em Saúde, em parceria com a Unicamp, demonstra que embora o início da transmissão tenha ocorrido na região do distrito Leste, que inclui Centro e Cambuí, a prevalência da Covid-19 atualmente em Campinas está na região Noroeste, seguido do Norte, Sudoeste, Sul e Leste, indicando a migração da pandemia para a periferia. Prevalência de casos por distrito de Saúde O secretário de Saúde de Campinas, Carmino de Souza, explicou ao apresentar os dados que a prevalência indica o percentual de moradores naquela região que tiveram contato com o coronavírus, e como os distritos de saúde tem diferenças populacionais, o total de casos confirmados leva em conta isso.

Nesse cenário, a região Sul, a maior da cidade e que engloba do Campo Belo até parte de Sousas e apresentou prevalência de 1,98%, tem quase o mesmo número de casos que a Noroeste, que tem o maior percentual (3,68%). As estimativas da pesquisa usaram os indicadores populacionais do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Contaminação maior dentro de casa O estudo apontou que grande parte da população que testou positivo se contaminou dentro de casa.

Há até uma campanha para orientar os moradores nos cuidados contra o novo coronavírus dentro da própria da residência, entre pessoas da mesma família, para tentar reduzir a curva de contágio da doença. Apesar dos indicadores mostrarem que houve maior transmissão dentro das residências, o estudo aponta que alguém levou a doença para dentro de casa, e depois houve a contaminação de mais membros da família. Local de contato com indivíduo com síndrome gripal Local de contato com indivíduo com sintomas de Covid-19 Local de contato com indivíduo com Covid-19 Mais homens infectados Entre os 43 dos 1.937 moradores testados, 21 eram do sexo masculino.

O número de testados, entretanto, foi menor que o de mulheres, o que indica maior prevalência da doença entre os homens segundo os pesquisadores. Prevalência de casos por sexo No inquérito realizado em Campinas, o perfil por faixa etária entre os homens infectados segue o padrão do sistema de vigilância, em que a maioria dos doentes estão entre 20 e 59 anos. Prevalência por exposição O estudo realizado em Campinas perguntou aos moradores que foram sorteados para os testes qual o contato deles com outras pessoas com síndromes gripais, com suspeita ou confirmação da doença.

Os resultados mostram que a maior proporção dos que testaram positivo tiveram contatos com sintomas ou casos confirmados da doença, o que também reforça a necessidade de aumento do isolamento social e das práticas de higiene, com uso de máscara sempre que sair de casa. Contato com pessoas com síndrome gripal Contato com pessoa suspeita de Covid-19 Contato com pessoa com Covid-19 Pouco uso de máscara e práticas de higiene A pesquisa constatou que a incidência de casos positivos entre pessoas que deixam de usar máscara ou não o fazem com regularidade, é quase cinco vezes maior do que nos moradores que afirmaram usar o acessório sempre. O mesmo cenário ocorre em relação ao uso de álcool em gel.

O número de pessoas que testaram positivo, ou seja, tiveram a doença, é mais que o dobro em prevalência do que nos entrevistados que afirmaram fazer uso do produto sempre. "É importante ressaltar isso.

Quem usa máscara tem cinco vezes menos chance de pegar a Covid", aponta Carmino. Utiliza máscara? Utiliza álcool em gel 70% Segundo a pesquisa, os motivos mais relatados pelas pessoas para sair de casa e não cumprir o isolamento foram: Alimentação/farmácia/banco Trabalho Lazer Visita a familiares Casos de Covid-19 Campinas registrou mais 821 casos positivos do novo coronavírus no balanço divulgado nesta segunda-feira (29) pela prefeitura.

A cidade passa a ter 7.848 moradores infectados e as mortes chegaram a 296, com cinco a mais do que a atualização do sábado (27). Em relação aos novos casos, não houve atualização no fim de semana devido a um problema no sistema e-SUS, informou a administração municipal.

Portanto, o aumento é em relação às confirmações da última sexta-feira (26). Os cinco novos óbitos são de quatro homens, entre 76 e 78 anos, e uma mulher de 101 anos.

Todos tinham doenças anteriores à Covid-19.

Os novos óbitos não significam, necessariamente, que as infecções aconteceram de um dia para o outro, mas sim que foram contabilizadas no sistema, mediante confirmação dos exames.

Veja o perfil de todas as vítimas da doença em Campinas Atualizações desta segunda-feira (29) Casos confirmados: 7.848 (821 a mais do que sexta, quando eram 7.027) Casos descartados: 12.844 (2.195 a mais do que sexta) Casos em investigação: 530 (25 a menos que no sábado) Óbitos em investigação: 26 (mesmo número de sábado) Pessoas recuperadas: 6.159 (831 a mais do que sexta) Internados com Covid: 382 (29 a mais do que sábado) Pessoas em isolamento domiciliar: 1.011 (70 a menos do que sábado) Óbitos confirmados: 296 (5 a mais que sábado) Formas erradas e corretas de usar máscara de proteção contra o coronavírus Arte/G1 Initial plugin text Veja mais notícias da região no G1 Campinas